quinta-feira, outubro 02, 2003

A última hora

Boa noite. Eu sou o Filipe André Macedo
(pausa)
E este é o Jornal da Noite.
(câmara número dois)
É o acontecimento do ano. O mistério de Diogo Varela será desvendado dentro de três minutos. Sem perder tempo, estabelecemos contacto com João Carneiro, em directo a partir do armazém número quarenta e três da Doca de Lisboa.
(ligação em directo para o repórter de exterior)
É considerado por muitos a melhor campanha de marketing deste século, o segredo melhor guardado. Ninguém conhece os motivos desta conferência de imprensa. Um novo livro? Projecto para mais um filme de sucesso? A resposta dentro de poucos segundos.
(intervalo. Anúncio de gel de banho, seio, coxa, cabelos molhados) (regresso ao armazém)
Falta um minuto para as vinte e quinze, hora em que Diogo Varela se sentará nesta cadeira
(imagem de uma única cadeira branca, objecto único no meio de uma enorme superfície)
e revelará a Portugal aquilo que se imagina seja o seu novo projecto.
(câmara vagueia pelo espaço. A voz do repórter está em Off)
Diogo Varela, para quem tenha estado a dormir nos últimos dois anos, é actualmente a figura de principal destaque na cultura portuguesa. Assim o dizem os números: O seu primeiro livro, “Uma Vida e Meia” vendeu mais de quinhentos mil exemplares, número singular no panorama literário português. A sua interpretação em “Dias Bizarros” garantiu-lhe o prémio de melhor actor no festival de Cannes. Pela primeira vez, fala-se da nomeação para Óscar de um actor luso. O que se segue? Vamos descobrir dentro de trinta segundos. Pistas? Apenas uma enigmática frase: A Última Hora.
(a câmara foca as letras negras escritas na parede)
(Intervalo. Carro acelera numa estrada deserta. Condutor profissional, condições controladas, não aceitamos responsabilidades por futuros acidentes)
(a transmissão recomeça. Plano médio de João Carneiro)
É hora.
(a câmara afasta-se. Diogo Varela entra - descalço, camisa longa e calças brancas – e senta-se. Na sua mão um livro, que encosta a uma perna da cadeira. Zoom In. “The 25th Hour”, by David Benioff. Silêncio Total. Ausência de microfone.)

Vão-se foder! Vão-se foder e que se foda Lisboa e todos dentro dela.

Que se fodam as pequenas coisas que me fodem

Que se fodam os carteiristas do Bairro Alto, que me roubam o dinheiro e ainda se riem nas minhas costas enquanto bebem litradas de cerveja. Filhos da puta dos adolescentes, catorze anos, quatro piercings e três tatuagens, encostados aos carros a fumar ganzas enquanto contam os lucros da noite.

Que se fodam os arrumadores. Passei no meu exame de condução, obrigado, não preciso de ajuda para estacionar o carro num lugar com trinta metros de espaço. Vão tomar banho e deixem de coçar os braços na ressaca da heroína. Talvez assim consigam arranjar a puta de um emprego.

Que se fodam os taxistas, o Manel e o Zé Tó. O vermelho significa parar, ignorantes do caralho, aldrabões que cobram cinquenta Euros do Aeroporto à Praça de Espanha apenas porque o cliente diz “Please”. Qualquer pessoa com bigode, pelos no peito e uma corrente de ouro com uma cruz pendurada devia ser proibida de guiar. Os peões agradecem. Abrandem caralho! E quero que o Benfica se foda!

Que se fodam os travestis do Conde Redondo. Mamas enormes, cabelos loiros e pila. Foda-se, se querem passar por mulheres, pelo menos barbeiam-se. E que se fodam os “novos” paneleiros. Viciados em musculação, peitos depilados, creme hidratante, gel em excesso, bronzeado artificial. Fodam-se à vontade, façam broches uns aos outros na casa de banho do Lux. Mas peço um favor. Quando me virem passar, evitem lamber a puta dos lábios.

Que se fodam os paquistaneses com as suas flores enroladas em plástico descobertas nas lixeiras das floristas. Não, não quero “fro”. Tanto tempo em Portugal e ainda não aprenderam a puta da palavra? FLOR!

Que se fodam os brasileiros, peste de raça que nos invade sem piedade, dentistas, empregados de mesa, locutores de rádio, animadores gordos, cantores baratos. A existência do Roberto Leal é a prova conclusiva de que Deus não existe. Deco na selecção? Vão para o caralho. Que se foda a Globo, a capirinha, a picanha, o Caetano Veloso e o Jardel.

Que se foda o Jet Set, conjunto de bonecos de cera em constante pose para máquinas fotográficas que não existem. Que se foda o vosso novo sofá, os problemas conjugais, as férias, os casamentos, as festas, os programas de televisão. Pessoas sem alma, vazias e decadentes que usam calças vermelhas, camisola por cima dos ombros e risco ao lado. O país olha para vocês mas não é em admiração; é para se rirem da vossa figura. Dadinha, Titi, puta que vos pariu. Não valem nada.

Que se fodam as grandes coisas que me fodem

Que se foda a televisão portuguesa, responsável por uma geração de idiotas, pelo (ainda maior) embrutecimento da sociedade portuguesa. Podem dizer que apenas dão ao público aquilo que ele quer, mas desejo e espero que os vossos filhos cresçam burros, viciados no Big Brother, que nunca peguem num livro e que desejem ser famosos apenas porque sim. Talvez assim percebam o mal que fizeram. A televisão é uma responsabilidade pública. Faltaram a todas as aulas de ética? Deixo isto claro: Portugal é hoje um sítio horrível, também por vossa culpa. Parabéns!

Que se foda o Big Brother. Se querem ser actores, cantores ou a merda que seja, estudem, frequentem o conservatório, inventem talento. Não percebem que são como os macaquinhos no Jardim Zoológico? As pessoas apenas querem ver quando é que começam a foder e a atirar merda uns aos outros.

Que se fodam os cromos da bola, profissionais ou não. Ignorantes com dificuldade de expressão. Sabem que mais? Podem ganhar o dinheiro que quiserem. Vão continuar a ser atrasados mentais com jeito para o pontapé. Arruaceiros, mimados, milionários com maus cortes de cabelo. Usam as quinas nacionais no peito com a mesma indiferença com que são patrocinados pela Nike.

Que se foda a impunidade, a facilidade com que se quebra a lei, o orgulho de não pagar as multas de estacionamento, as amnistias do Papa, os tribunais atulhados, os juízes mediáticos, os advogados em fatos azuis e camisas às riscas, o orgulho de sermos o único país do mundo que não condena os terroristas; fazemos deles celebridades, aparecem em talk shows, são convidados para festas, contam estórias de terror como se fossem anedotas.

Que se fodam as rotundas e os centros comerciais, não somos mais felizes apenas porque andamos às voltas enquanto comemos batatas fritas com maionese e admiramos as roupas que nunca teriamos coragem de usar. Horas sem ver o sol, milhares de lugares para estacionamento, filas para o cinema, pipocas e coca-cola de meio litro.

Que se foda a cultura portuguesa. Sempre os mesmos filmes, livros, música. O estado investe em realizadores de noventa anos mas para a nova geração já não há dinheiro. Que se fodam as cunhas, os amigos, as pancadinhas nas costas, as pessoas que se conhece, o pé na porta. Livros de crónicas coladas a cuspo, top da Fnac, que se fodam todos aqueles que utilizam a santidade do livro como prolongamento da carreira de modelo. Que se foda o Diogo Morgado, plagiador e estrela de cinema.

Que se foda a nova geração, cambada de acomodados, sem força nem vontade de lutar por nada. Bêbados sociais, drogados de conveniência, sem coragem sequer de usar o sexo como método de alienação. Que se foda o purismo, a vergonha, a descriminação, os olhares de lado, a coscuvilhice. São jovens caralho, não tenham medo de ofender, de ser quem são. Acordem!

E, por fim, que me foda eu.
(Diogo Varela levanta-se)
Que me foda eu, adepto do insulto fácil, hipócrita, mentiroso, vida dependente de holofotes e sorrisos. O que interessa que não acredite em metade do que disse? Isto é tudo um espectáculo, certo? Estou em directo na televisão certo? Esses telefones já começaram a tocar?
(Diogo Varela levanta a camisola. Zoom in no revólver.)
Não percebem? Esta é a nossa última hora. E estamos a mijar nela.
(gritos de pânico. A câmara tomba, a imagem torna-se horizontal)
Eu por mim, eu desisto. Não quero mais. Recuso-me. Que me perdoem os ofendidos.
(Diogo abre a boca, encaixa o revólver entre os dentes. Disparo. Uma mancha vermelha alastra-se pela roupa branca).
(Interrupção. Ecrã negro. “How are you?”, vermelho, pessoas bonitas na praia, sol, mar, alegria.)

Duas horas e trinta minutos mais tarde, a transmissão foi repetida no Último Jornal. Nos próximos três meses, foi possível rever o acontecimento na televisão portuguesa por trezentas e vinte e quatro vezes. Quase três vezes por dia.

Três anos depois, surge o rumor de que Diogo Varela está vivo e reside em Miami.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

/body>